Base de dados

 

O FUNCIONAMENTO DA BASE DE DADOS CÓRTEX

A base de dados CÓRTEX é um aplicativo desenvolvido especialmente para o projeto, que coleta e processa dados sobre espaços e iniciativas de arte auto-organizadas em todo o Brasil. Sua efetiva construção não só contribuiria para o entendimento da cena de arte independente brasileira, mas também daria visibilidade para as ações de seus agentes, podendo ainda ser útil como instrumento de gestão no estabelecimento de diretrizes para políticas públicas específicas pelos órgãos responsáveis.

A coleta de dados é realizada através do preenchimento, pelos gestores dos espaços e iniciativas, de 4 formulários no aplicativo, que abordam os seguintes temas:

  1. Organização e estratégias;
  2. Gestão de recursos;
  3. Público; e
  4. Colaboradores.

Os dados coletados dos espaços e iniciativas, via cada um dos formulários separadamente, são processados pelo aplicativo e juntos geram uma série de gráficos e tabelas que retratam como auto-organizam-se e administram recursos, a que público atendem e com quem colaboram.

A EXPERIÊNCIA (tentativa 1)

Entre janeiro e abril de 2017, foram contatados (e re-contatados) 60 gestores de espaços e iniciativas em diversas localidades do Brasil, convidados a colaborarem com a construção da base de dados CÓRTEX. Apesar de quase a totalidade dos gestores contatados reconhecer espontaneamente a importância da construção da base de dados CÓRTEX, e da enorme janela de tempo que tiveram para preencher o formulário 1 (que tomava cerca de 20 minutos), dos 60 espaços e iniciativas contatados, somente 25 criaram perfis no aplicativo (então disponível gratuitamente na Apple Store e Google Play) e responderam ao referido formulário.

A dificuldade na coleta de dados através do formulário 1, levou ao congelamento do processo e à re-análise da proposta da criação da base de dados. Os resultados produzidos foram parciais e inconclusivos. Infelizmente o projeto não dispõe de recursos para arcar com os custos do aplicativo ativado e assim manter os resultados obtidos disponíveis para consulta nesta plataforma. Apesar disso, o aplicativo e os dados coletados seguem armazenados para possível re-utilização futura.

ANALISANDO A EXPERIÊNCIA (tentativa 1)

A existência da base de dados CÓRTEX depende de um processo de construção coletiva por um grupo grande – nesta primeira tentativa foram precisamente 188 espaços e iniciativas mapeadas em todo o Brasil. Isso significa que cada integrante seria responsável pela criação de precisamente 1/188 do produto final.

Portanto, quando este projeto foi elaborado partiu-se equivocadamente de um pressuposto: de que os espaços e iniciativas de arte independentes formavam um grupo, a cena de arte independente brasileira. Porém, hoje sei, falta uma espécie de “consciência de classe”, isto é, o reconhecimento de que se é parte de um todo, de que se pertence a um grupo. A cena de arte independente só existirá de fato quando for devidamente identificada pelos que a integram.

OLHANDO PARA O FUTURO

Como a base de dados, ao menos dentro deste formato, depende de uma cena de arte independente estabelecida, é preciso dar alguns passos para trás. Um caminho para estimular a sensação de pertencimento, e ao mesmo tempo unir forças e ganhar potência, é a articulação e manutenção de uma rede de colaboração.

Se criada a partir de uma rede de colaboração funcional, a base de dados poderá ser utilizada na validação da cena de arte independente como uma força dentro do sistema da arte, ao lado das já estabelecidas cenas institucional (formada por instituições artístico-culturais tais como museus e centros culturais) e comercial (como galerias, feiras e leilões).

 

 

//CRÉDITOS

Coordenação e produção | Maíra Endo
Desenvolvimento dos formulários, gráficos e tabelas | Maíra Endo
Desenvolvimento do aplicativo: Mobzi