O circuito independente

 

Na Fase 1 da pesquisa CÓRTEX, como insumo da base de dados, foi realizado um mapeamento de espaços e iniciativas independentes em todo o Brasil. Na Fase 2, o mapeamento realizado na cidade de São Paulo na Fase 1, foi aprofundado e ampliado. As descrições de cada iniciativa foram extraídas dos websites, páginas no Facebook e outras plataformas digitais online. Este mapeamento foi realizado entre janeiro e fevereiro de 2019.

AUTO-DEFINIÇÃO/ABRANGÊNCIA

São entendidos como espaços ou iniciativas de arte independentes, as organizações artístico-culturais:

  • Que são entidades autônomas, cujas estruturas e propostas são auto-determinadas e auto-organizadas.
  • Que são intencionais, isto é, cujas atividades e projetos são orientados pelas intenções e desejos de seus gestores.
  • Cujas atividades e projetos não são orientados pelo mercado da arte.
  • Que, através de seu engajamento, especialmente com cenas locais, dêem espaço para discussões, atividades e projetos de arte de terceiros.
  • Cuja existência não depende ou está direcionada para a geração de lucro.

USO DO TERMO “INDEPENDENTE”

O termo “independente” refere-se à autonomia artística que os espaços e iniciativas coletivas que fazem parte deste circuito buscam manter ou atingir. De forma alguma significa que estas organizações – ao carecerem de recursos, especialmente financeiros – não dependam do estabelecimento de relações estratégicas, inclusive com os circuitos institucional e comercial. Dou preferência ao uso do termo “independente”, ao invés de “autônomo”, pelo seu uso corrente em outros campos artísticos, como do cinema e da música, para definir produções que preservam sua autonomia artística. Isso porque, particularmente, acredito na importância da comunicação, não só com o expectador das artes visuais não-especialista, mas também com o público das artes, ou da cultura, como um todo.

 

AGRUPAMENTOS

A partir de suas atuações, as organizações artístico-culturais mapeadas que compõem o circuito de arte independente foram divididas em 5 grupos:

  1. Espaços dedicados às artes visuais e intersecções.
  2. Espaços e centros culturais dedicados inclusive às artes visuais.
  3. Iniciativas e iniciativas dedicadas às artes visuais impressas.
  4. Iniciativas e iniciativas dedicadas à comunicação.
  5. Outras iniciativas: reúne uma série de organizações em formatos diversos.

Dentro dos grupos, as organizações estão ordenadas por data de fundação, da mais antiga para a mais recente.

1. ESPAÇOS DEDICADOS ÀS ARTES VISUAIS E INTERSECÇÕES

1 Foto Cine Clube Bandeirante http://www.fotoclub.art.br Desde 1939. O Foto Cine Clube Bandeirante é o mais tradicional Fotoclube brasileiro, com mais de 70 anos de história. No FCCB há exposições fotográficas, passeios, workshops, palestras, entre outras atividades para os associados , alunos e interessados em geral.
2 Atelier Paulista http://www.atelierpaulista.com Desde 1980. Tudo começou com um telefonema do León Ferrari dizendo que havia um espaço disponível ao lado do seu. Assim foi criado o Atelier Paulista em 1980, pelas artistas Branca de Oliveira e Marilu Beer, como um centro independente de estudos e produção em arte. Seu objetivo é fomentar projetos artísticos em gravura, desenho, pintura e multimeios. Visa também à reflexão sobre  metodologias e procedimentos específicos empreendidos em sua realização. Procura ainda desenvolver recursos de metalinguagem e sistematização adequados às formas de apresentação e documentação de pesquisa em arte. Com esses propósitos, promove atividades multi e interdisciplinares: pesquisa, experimentações artísticas, residências, oficinas, cursos, palestras e encontros entre expoentes de diversos campos culturais (audiovisual, performance, música, literatura, filosofia, etc.). Com foco na exploração criativa das potencialidades da imagem, o Atelier Paulista oferece consultoria, assessoria e assistência técnica em projetos que abrangem desde procedimentos artesanais até processamentos digitais de produção e multiplicação de imagens. Como estratégia para alcançar os objetivos propostos, mantém um núcleo multidisciplinar de pesquisadores, cujas singularidades refletem a multiplicidade artística contemporânea.
3 Ateliê Piratininga http://atelierpiratininga.com   Desde 1993. O Piratininga é um Atelier Coletivo de Gravura gerido por artistas com o propósito de compartilhar espaço de trabalho, informação, idéias, projetos artísticos e educativos. Valoriza a produção artística individual e acredita no desenvolvimento humano através da Arte. Desde sua fundação, organiza e participa de várias exposições no Brasil e no exterior, encontros com artistas, cursos, workshops, projetos de intercâmbio, simpósios, palestras e publicações, envolvendo inúmeros parceiros e colaboradores. Além disso, abriga dezenas de artistas que desenvolvem projetos de curta ou longa duração em seu espaço através do programa de Residência Artística.
4 Casa da Xiclet http://casadaxiclet.com              Desde 2001. A Casa da Xiclet é uma galeria de arte e também uma residência. A presença de uma transforma a outra – a galeria é diferente por causa da casa e a casa é diferente por causa da galeria. Além disso, a partir da consciência desse processo, existe a perspectiva da galeria-casa como obra. A programação do espaço inclui exposições de artes, espetáculos musicais, projeção de filmes, eventos, jogos, festas, palestras e oficinas. TUDO EM UM AMBIENTE CASEIRO ONDE SE PODE VIVENCIAR O LAZER CULTURAL. Não é underground é Playground! e Não é Ponto de Cultura, é Ponto de Interrogação.
5 Graphias http://www.graphias.com.br/novo/ Graphias Casa da Gravura é um atelier-galeria com acervo e espaço expositivo. Foi criada em 2003 por Mauro Vaz e Salete Mulin.
6 Galeria Quarta Parede http://www.galeriaquartaparede.com.br Desde 2005 (data estimada). A Galeria Quarta Parede é um espaço dedicado às artes visuais que abrange a produção de artistas de dentro e de fora do país, promovendo artistas emergentes no cenário artístico contemporâneo, além de intercâmbios culturais. Prioriza não só o momento da mostra, mas o processo criativo como um todo, acompanhando os artistas em seus processos sem uma preocupação por etiquetar a contemporaneidade. Quarta Parede é a segunda galeria criada pelo artista plástico cubano Alexis Iglesias, residente no Brasil desde 1993. A primeira iniciativa foi a Galeria Kahlo (Havana/Cuba) que, a partir de 1990, recebeu grandes nomes da arte contemporânea cubana e reunia artistas para discussões sobre seus projetos artísticos.   A galeria funciona na Escola Livre de Arte Havana, na Vila Mariana.
7 estúdiofitacrepesp http://www.estudiofitacrepesp.com Desde 2008. Localizado em uma ilha entre a Avenida Paulista e Rua da Consolação, o estudiofitacrepeSP, coordenado por Kenia Dias e Ricardo Garcia, é um ateliê de arte sonora e teatro físico dedicado à experimentação, criação e apresentação de trabalhos artísticos autorais nas áreas de som e movimento. Na área de som, o estudiofitacrepeSP é um espaço para a experimentação, criação, produção e apresentação de arte sonora. O ateliê de movimento é voltado para pesquisa e criação em corpo e teatralidade. Através de experimentos cênicos e workshops realizados por Kenia Dias/Ricardo Garcia e convidados, a ideia é ampliar as perspectivas de relação entre corporeidade, teatralidade e composição.
8 Casa Contemporânea http://casacontemporanea370.com  Desde 2009. Espaço multidisciplinar que realiza exposições, encontros e debates sobre arte, arquitetura, urbanismo, moda, teatro e assuntos correlatos; galeria para exposições de arte contemporânea e comercialização. Uma casa que acolhe novos artistas com interesse e produção em arte contemporânea e áreas afins. Um local para discutir, ver e pensar.
9 hermes | práticas em produção e reflexão em artes visuais http://jardimdohermes.com Desde 2011. HERMES artes visuais é um espaço onde a prática e o pensar artístico se encontram. Contemporâneo e alternativo, é composto por três ateliês, um espaço de residência e uma sala de aula/espaço expositivo integrada ao jardim. É uma organização independente, dirigida por artistas. Este “lugar comum” nasceu pela importância de um espaço de produção em artes visuais entrar em contato com a organicidade do pensamento e de práticas teóricas por meio de debates, exposições, projetos intensivos, palestras e cursos. O espaço abriu suas portas com a coletiva Hermes (Carla Chaim, Nino Cais, Renata de Bonis, Evandro Machado, Alexandre B., Manoel Veiga, Paulo Almeida, Marcia de Moraes e Fernanda Figueiredo & Eduardo Mattos).
10 Estúdio Lâmina https://www.facebook.com/estudio.lamina.7/ Desde 2011. O Estúdio Lâmina é um espaço de arte polimorfa e invenção em arte contemporânea, abrigado no quarto andar de um prédio da década de 40 no centro histórico de São Paulo. Inaugurado como casa-galeria, estúdio de criação e residência artística, o Lâmina nasceu com a proposta de ser um espaço de cultura independente para estimular a pesquisa em artes e divulgar o trabalho de novos artistas da cena contemporânea, criando um ambiente permanente de troca entre artes visuais, música, dança, circo , cinema, poesia, provocando novas narrativas para o debate de políticas públicas e culturais do centro e das margens de São Paulo.
11 Pivô Arte e Pesquisa http://www.pivo.org.br  Desde 2012. Em plena efervescência cultural do centro expandido de São Paulo – e com essas questões sempre em mente –, o PIVÔ nasce como um espaço de arte autônomo e sem fins lucrativos, que dedica mais atenção às particularidades de cada projeto e propicia possibilidades de atuação mais flexíveis aos artistas e pesquisadores convidados. A programação do PIVÔ se articula através de exposições, projetos específicos, workshops, ateliês temporários, residências, atividades educativas e palestras divididas entre o Programa de Exposições Anual e o PIVÔ Pesquisa. Sua estrutura segue se desenvolvendo paralelamente à sua programação, num processo aberto e em constante mutação. E sua missão talvez seja justamente repensar um modelo institucional para as artes visuais no Brasil – que, ao mesmo tempo em que assegure a autonomia criativa dos artistas, assuma responsabilidades com seu entorno, para assim quem sabe estender essa autonomia de pensamento ao público visitante. Desde sua inauguração, o objetivo sempre foi proporcionar aos artistas, a todos os que trabalham na programação e aos frequentadores do espaço, um contexto para reflexões críticas além de experiências estéticas.
12 Projeto Fidalga www.ateliefidalga.com.br Desde 2012. O Ateliê Fidalga é um espaço para trocas e discussões, um local onde artistas das mais distintas formações – filosofia, arquitetura, comunicação, literatura, artes visuais, música e teatro – encontram-se com o objetivo de dialogar sobre suas pesquisas no campo da arte. É um organismo vivo, onde, a cada encontro, novas questões são trazidas e colocadas em pauta para reflexão e análise. O Projeto Fidalga, uma extensão do Ateliê Fidalga, surgiu em 2012 como um espaço independente, sem fins-lucrativos, dedicado a projetos experimentais e residências artísticas com o objetivo de intercâmbio de ideias e experiências.
13 Ateliê Alê http://www.atelieale.com Desde 2012. O Ateliê Alê é um espaço com intenção de estimular experimentações artísticas e curatoriais em arte contemporânea, bem como gerar conhecimento e reflexão sobre o que está sendo produzido no Brasil e no mundo através de palestras, conversas e exposições. O ateliê foi fundado pela artista Alexandra Ungern-Sternberg que tem desenvolvido um trabalho em parceria com o artista Fábio Leão e mais recentemente com a curadora e artista Isabel Villalba. O Projeto Portão convida, a cada três meses, um artista a realizar um trabalho utilizando o portão de entradado ateliê como suporte. Para o projeto Lab570, apresentamos jovens artistas ao lado de artistas já estabelecidos no circuito, sempre com a intenção de estimular um laboratório aberto para experimentações artísticas e curatoriais.
14 Espaço Zebra http://www.espacozebra.com https://www.facebook.com/espacozebra/ Desde 2012. Zebra é o ateliê do artista Renato Larini: um galpão de dois andares em constante transformação, um ambiente que mistura, galeria de artes, marcenaria, loja e bar às sextas e sábados. Espaço de arte e entretenimento. Durante a semana, é preciso agendar visitas para a loja e a galeria. Programaçāo especial, noites temáticas com eventos e performances.
15 PONDER70 https://www.ponder70.com/ Desde 2012. PONDER70 se refere a um endereço em São Paulo. É uma galeria em uma casa conceito onde ocorrem exposições de arte, apresentações musicais e eventos gastronômicos. O espaço também está disponível para eventos de empresas e privados. Os visitantes têm a experiência de encontrar obras de arte integradas ao ambiente e também podem acompanhar a produção em estúdio dos artistas residentes Conrado Zanotto & Thiago Navas. A casa também presta serviços e desenvolve projetos de arte, com equipes montadas de acordo com a ideia.
16 FONTE http://residenciafonte.tumblr.com Desde 2013. O FONTE promove residências artísticas e abriga ateliês temporários, recebendo artistas internacionais e brasileiros. Passaram pelo projeto os artistas Inês Moura (Portugal), Martin Lanezan (Argentina), Marco Maria Zanin (Itália), Adrián Balseca (Equador), os brasileiros Rodrigo Braga, Pedro Marighella e os críticos de arte Paulo Gallina, Priscyla Gomes e Olivia Ardui. Cada residência internacional conta com o acompanhamento, texto e fala pública conduzidos por um crítico. O caráter da residência aposta que a convivência entre os artistas que ocupam os ateliês e o próprio entorno paulistano do bairro Vila Madalena, promovem uma experiência transformadora aos artistas residentes. O projeto foi se delineando a partir do próprio contexto do imóvel, uma agradável casa muito próxima de outros organismos de arte como o Hermes Artes Visuais, onde parcerias se davam naturalmente, abrindo a possibilidade de exposições de curta duração, exibições de vídeo e encontros com o grupo de acompanhamento orientado pelos artistas Nino Cais, Marcelo Amorim e Carla Chaim. Em 2016, o projeto passou a ocupar um galpão ainda no bairro Vila Madalena. A estrutura do espaço anterior, com cômodos separados e ambiente residencial/doméstico, agora dá lugar a um lugar sem divisórias, deixando o espaço mais flexível e o contato entre os artistas do FONTE ainda mais intenso.
17 Casa Caiada https://www.facebook.com/casacaiadadesaopaulo/ Desde 2015 (data estimada). Casa Caiada é uma casa de praia para trabalhar na zona oeste de São Paulo.
18 A Casateliê www.acasatelie.com.br Desde 2016. Entre a Bela Vista e a Liberdade, o ateliê de Adalgisa Campos e Paulo Camillo Penna reúne espaço de produção dos artistas, ensino de arte e venda de obras.
19 Vão https://vaoespacodearte.wordpress.com Desde 2016. VÃO é um espaço independente composto por ateliês e sala expositiva onde convivem diferentes pesquisas e práticas artísticas. O espaço promove ações alternativas e complementares ao circuito de arte de São Paulo por meio de iniciativas dos seus residentes, parcerias e intercâmbios com outros artistas, realizando práticas para além do cotidiano do ateliê.
20 Casa Tamarindo www.casatamarindo.art Desde 2016. A Casa Tamarindo de Arte e Cultura surgiu como uma opção democrática que possibilita a artistas que compartilhem suas obras, experiências e processos nas instalações do espaço. Realizamos oficinas, cursos e eventos que integram a população com o artista, levando assim sua visão a um grande número de pessoas. A Casa Tamarindo surgiu como uma extensão dos trabalhos da artista Rosane Viegas, para desenvolver sua arte, experiências e sua proposta, não só com o público, mas também com outros artistas, pois considera a arte algo livre, compartilhável, orgânico.
21 Studio 9 Ateliê de Arte https://web.facebook.com/studio9.atelie.de.arte/ Desde 2016 (data estimada). STUDIO 9 é um ateliê de arte contemporânea, compartilhado pelos artistas Elias Muradi, Mauro de Souza, Mônica Rubinho e Sidney Philocreon. Além de espaço de trabalho e produção dos artistas citados, oferece programação de cursos e atividades voltadas para a área de artes visuais e produção, desenvolvimento de projetos e gerenciamento cultural, consultoria em design gráfico e web.
22 Auroras http://www.auroras.art.br Desde 2016. auroras é um espaço de arte voltado a ideias e projetos de artistas. Idealizado a partir de extensos diálogos entre Ricardo Kugelmas e diversos artistas, o espaço surge com o intuito de realizar projetos de caráter singular, frequentemente não abrigados em galerias e instituições. auroras não busca cobrir um panorama ou lacuna de exposições institucionais, tampouco representa comercialmente quaisquer artistas. As exposições de artistas representados no Brasil são realizadas de forma conjunta e complementar às galerias. A partir de exposições, projetos específicos, publicações e conversas abertas ao público, o espaço privilegia o diálogo entre artistas, críticos, curadores e o público em geral.
23 Breu www.espacobreu.com Desde 2017. BREU é um ateliê expandido, espaço de experimentação de seis artistas que buscam ampliar suas atividades para além de suas produções individuais. Ocupa um galpão na Barra Funda dividido em dois andares. No primeiro, um vão livre se coloca como área comum para implementação de projetos diversos, como exposições, performances, oficinas, cursos, grupos de estudos etc. Uma lacuna a ser preenchida, experimentada, para abarcar diversos formatos e ideias e instaurar um lugar de troca. Já no segundo andar se situam os ateliês dos artistas que gerem o espaço e mais três ateliês temporários. Uma estrutura voltada para a criação de cada um.
24 Galeria Crua https://www.facebook.com/galeriacrua/ Desde 2017. Galeria de arte, espaço cultural e ateliê do artista Gen Duarte.
25 Contemporão https://www.contemporaosp.com Desde 2018. O ContemporãoSP é um espaço independente, sem fins lucrativos, que iniciou suas atividades em Florianópolis, SC, em 2009; passou por Vitória, ES, entre 2014 e 2016 e, a partir de 2018, abre em São Paulo capital. O novo espaço em Pinheiros está buscando promover projetos sociais e artísticos transdisciplinares, considerando interfaces entre a prática da performance, a participação e a performatividade. Aqui dentro desejamos acolher encontros, construções coletivas de conhecimentos e ideias e grupos de estudos sobre esses temas.

 

2. ESPAÇOS E CENTROS CULTURAIS DEDICADOS INCLUSIVE ÀS ARTES VISUAIS

1 Augôsto Augusta Cultural https://www.facebook.com/AugostoAugusta/ Desde 1968. Livraria, galeria informal e núcleo de reflexão sobre arte e cultura, a loja aberta por Regina Berjuhy e Lucia Bertizlian reúne uma coleção referencial de livros sobre artistas, fotografia, design, moda e arquitetura, um acervo precioso de gravuras e telas de grandes nomes brasileiros dos anos 60 e 70 e CDs selecionados para os apreciadores das manifestações mais incomuns da música e do cinema. Há 50 anos, a Augôsto Augusta Cultural, localizada no mesmo espaço desde 1968, complementa essa experiência cultural com uma agenda semestral de cursos de arte, música, teatro, cinema, literatura, filosofia e desenho.
2 Ateliê 397 https://atelie397.com Desde 2003. O Ateliê397 é um espaço de intervenção cultural no circuito das artes, que promove ações inovadoras e incentiva a formação de outros olhares para a produção contemporânea. Busca CRIAR, FOMENTAR e DIVULGAR ações, obras e pensamentos artísticos experimentais, abrindo espaço para o dissenso, para obras e discursos que não se enquadram nas agendas das grandes instituições museológicas nem são promovidos pelo mercado. É um espaço para livre expressão de novos agentes (artistas, curadores, teóricos), com uma programação INTENSA, VARIADA e ABERTA ao público, que prima pela DIVERSIDADE e o PLURALISMO sem abrir mão do rigor reflexivo e da atitude crítica. Sediado na VILA MADALENA, em São Paulo, até 2016, em 2017 o Ateliê397 muda-se para a Pompéia. O espaço foi fundado por um grupo de artistas visuais e funcionava como um misto de ateliê e espaço expositivo. Hoje, o Ateliê397 consagrou-se como um dos mais longevos e relevantes espaços independentes da cidade. O espaço conta um galpão expositivo, divido em duas salas, que são utilizadas para discussões e exposições, e o corredor, que é o espaço para as projeções de videoarte e dos projetos site specific, renovados periodicamente.
3 casadalapa https://casadalapa.net Desde 2005. A casadalapa é um coletivo formado por artistas que atuam em diversas áreas que possuem em comum o caráter de se constituírem como ações colaborativas, entendendo o processo artístico como um processo de interação entre seus indivíduos e a sociedade. A casadalapapromove oficinas dos integrantes e aliados (territórios casadalapa), encontros com artistas e pensadores (territórios confluentes) troca de idéias e rodas de conversa (territórios táticos), mostras, shows, projeções, realiza vídeos e intervenções urbanas e artísticas pela cidade, além do consagrado mixtoquente (uma celebração, uma festa, uma circulação de processos + música + artes visuais + teatro + cinema + intervenção + grafite + fotografia) na Lapa.
4 b_arco Centro Cultural https://barco.art.br Desde 2006. O b_arco é um centro cultural contemporâneo: um espaço que une educação e arte criado para transmitir e aprofundar conhecimento, desenvolvendo pesquisas e produzindo conteúdo nas mais diversas formas de expressão cultural. Um lugar de debate, reflexão e criação que fomenta o intercâmbio permanente entre público, artistas e agentes culturais.
5 Matilha Cultural http://matilhacultural.com Desde 2009. Centro Cultural autônomo localizado na região central de São Paulo. Arte, ativismo, meio-ambiente, proteção animal, parques, espaço público, cinema, exposições, tudo isso junto e misturado em um endereço só! Exposições, filmes, happy hours, debates, conteúdo, atitude. Todos são bem vindos, inclusive os humanos.
6 Condomínio Cultural http://condominiocultural.org.br Desde 2010. O Condô é um antigo prédio que já foi escola e hospital, localizado na Vila Anglo Brasileira – São Paulo – SP. É um local que abriga artistas e empreendedores culturais (os condôminos) com foco na criação e experimentação. A casa também serve a realização de atividades artísticas e socioculturais que são coordenadas pelo Instituto Cultural Mundo Novo, uma associação com qualificação de OSCIP (organização da sociedade civil de interesse público), existente desde 2010. A Associação é responsável pela coordenação das atividades e articulação de projetos em prol dos associados (os condôminos), buscando promover a integração com o bairro da Vila Anglo Brasileira e outros criadores do Brasil e do mundo. A Casa é administrada por um Núcleo Gestor, composto por cinco pessoas. Os associados colaboram na realização de ações e na existência da Casa.
7 ASSALTO CULTURAL https://www.facebook.com/assaltocultural/timeline Desde 2011. ASSALTO CULTURAL é um núcleo de difusão e produção de iniciativas artísticas e culturais de caráter espontâneo, com ações que promovem a experimentação, a independência criativa e a cooperação multidisciplinar. Apostamos pelo discurso transversal, o compromisso com o meio ambiente e a busca de alternativas como meio de produção cultural. Compartilhar conhecimento e ideais nos faz sorrir e é através destas ideias que queremos trocar, discutir e colaborar com novos conceitos e realidades; dando vazão a atitudes que criem reflexão, movimento e ação. Cultural Assault is a group of people. Cultural warfare from (pseudo)intelectualized warriors on a dynamic and diverse brazilian landscape, we want to energize and transform, criticize and reform, reclaim, recycle, a Cultural Assault.
8 Lab Mundo Pensante www.mundopensante.com.br Desde 2012. O Mundo Pensante é um espaço cultural que integra eventos de música, artes visuais, artes do corpo e filosofia. A estrutura acolhe desde espetáculos, eventos, ensaios de grupos artísticos, workshops, exposições de arte e exibição de filmes. Além de abrir o espaço para essas entre tantas outras atividades, oferece serviços de design, artes visuais e projetos culturais. A Mundo Pensante acredita que a arte e a cultura são essenciais para o indivíduo, porque contribuem para sua evolução mental, profissional, social e lírica. Priorizar a arte, em detrimento dos fins comerciais, valorizando as obras no que é essencialmente humano. Um empreendimento cultural e artístico é completo quando é transparente e gera resultados positivos para o artista e para o público.
9 Centro Cultural Ocupa Ouvidor 63 https://www.facebook.com/Centro-Cultural-Ocupa-Ouvidor-63-611358615696918/ Desde 2014. Centro cultural dentro da ocupação artística Ouvidor 63.
10 Casa da Luz http://www.casadaluz.org Desde 2015. A Casa da Luz é um espaço cultural, no bairro da Luz, que ocupa um casarão construído para ser uma das primeiras hospedarias de São Paulo, no final do século XIX. Sempre em transformação a casa propõe diversos ambientes, como, coworking, sala de yoga, ateliês de arte, cinema, sala de teatro, salas de ensaios, galeria,   estúdio de música, salão de eventos, bar, cafeteria e residências artísticas. Abriga artistas, performances, atores, diretores, autores, músicos, coreógrafos, dançarinos, fotógrafos, pintores, produtores e escultores, tudo misturado em um mesmo prédio, instigando o compartilhamento e formação de redes. Sendo um projeto independente, sem ter sua sustentabilidade financeira oriundas de marcas e governos, tem como receita os eventos pagos, bar e a cafeteria, para custear aluguel e seus custos gerais, não deixando de lado as atividades diurnas que grande partes são feitas através de trocas e escambos, atividades gratuitas, colaborativa ou contribuições voluntarias. Feito por artistas a partir de percepção, emoções e ideias. Transformando, vivenciando, adaptando, reciclando, pessoas, mentes, mundos….
11 Projeto Marieta www.projetomarieta.com.br Desde 2015. O Marieta é um centro cultural voltado para a criação estética-cultural que atua como ponto de difusão de produções artísticas diversas e lugar de troca de experiências estéticas, intelectuais e profissionais entre pessoas de várias gerações com interesses em comum, que podem se apresentar e discutir as diversas modalidades de arte, como o cinema, fotografia, arquitetura, música, literatura e dança.
12 Ateliê BINÁH http://binahespacodearte.com.br Desde 2015 (data estimada). O Bináh Espaço de Arte nasceu quando o casal de artistas Stela Barbieri e Fernando Vilela abriu seu ateliê ao público como um lugar de invenção e encontro em arte, educação, literatura, música e outras linguagens. No Bináh você encontra cursos, oficinas, palestras e apresentações para crianças, jovens e adultos; orientação de artistas, assessorias para escolas, museus, professores, educadores sociais e grupos de criação colaborativa.
13 Casa 1 https://www.facebook.com/casaum/ Desde 2015. A Casa 1 é um centro de cultura e acolhimento de LGBTs. Nossa missão é acolher pessoas LGBTs em situação de risco e criar um espaço para criação, troca de ideias e tudo mais que a gente quiser pensar juntos.
14 A Casa Tombada http://acasatombada.com.br Desde 2015. Inaugurada pelos sócios Ângela Castelo Branco e Giuliano Tierno, A CASA TOMBADA abriga debaixo de um mesmo teto salas de aula, ateliês, biblioteca, café, espaço para convívio, exposições e conversas em diferentes formatos. Lugar de Arte, Cultura e Educação, A Casa tem sido reconhecida pelo trabalho de excelência desenvolvido ao longo dos últimos anos nas áreas de literatura, oralidade e escritura. Com caráter (in)disciplinar, busca diminuir as fronteiras entre as linguagens artísticas, o fazer e o pensar. Os cursos e encontros que acontecem na Casa são construídos de forma artesanal e estão voltados para os saberes de experiência dos participantes.
15 Casa Elefante https://www.facebook.com/elefante277/ Desde 2015. A Casa Elefante é um espaço de convivência artística e social, café/bar e também loja de discos de vinil, livros e brechó.
Pocket shows, saraus, lançamento de livros, exposições, festas, workshops acontecem em nosso espaço entre outras iniciativas propostas pelos frequentadores e amigos da casa.
16 Casa Plana https://www.casaplana.org Desde 2016. A Casa Plana é um espaço múltiplo e independente que recebe todos os tipos de atividades voltadas para o meio editorial e da auto-publicação. Temos cursos com profissionais do meio, oficinais visuais e de escrita, uma livraria de publicações independentes e políticas, um café e a biblioteca da Plana com mais de 4 mil títulos de todo o mundo.
17 Laje https://web.facebook.com/LAJESP/ Desde 2016. Outrora formado por DW Ribatski, Eugênia Fajardo e Filipi Filippo, e atualmente sobre cuidados de DW e parceiros, a LAJE é um espaço cultural independente afim de promover trocas.
18 Disjuntor https://www.facebook.com/disjuntor/ Desde 2016. Espaço de artes e eventos no Distrito Mooca.
19 Taperá Taperá www.taperatapera.com.br Desde 2016 (data estimada). A Tapera Taperá é uma biblioteca, livraria, espaço cultural. Um experimento, tentativa, ensaio, um esboço em construção. Sem fins lucrativos, sem objetivos claros, sem maiores planejamento e precisão. Um experimento político-cultural.
20 Espaço 8 Arte e Cultura https://www.espaco8arteecultura.com Desde 2018. O ESPAÇO 8 ARTE E CULTURA foi criado para fomentar a arte, a cultura e os campos sensíveis do conhecimento. Ele surge do desejo de experimentar e despertar novas formas de colaboração e de produção coletiva. Somos e queremos ser cada vez mais um lugar de descobertas, expansão da consciência e compartilhamento de saberes. Acreditamos na integração corpo, mente e espírito e na potência dos encontros e dos afetos.
21 Colabirinto https://www.facebook.com/espacoculturalcolabirinto/ Desde 2018. O Colabirinto, espaço cultural localizado no coração da cidade – formado por artistas que criaram afinidades artísticas e se conheceram na ocupação Ouvidor 63 -, pretende promover encontros relacionados à arte contemporânea produzida no centro de São Paulo. Queremos democratizar a arte e dar voz a todos que não tem espaço em curadorias elitizadas. Somos artistas, assim como fomentar a produção cultural e pensar a arte em suas diversas formas. Buscamos uma economia baseada na colaboração, no compartilhamento dividindo esse espaço para a criação de um novo cenário artístico colaborativo em São Paulo. Promovemos cursos, oficinas, cineclubes, rodas de conversas, feiras, dentre outras propostas.

 

3. ESPAÇOS E INICIATIVAS DEDICADAS ÀS ARTES VISUAIS IMPRESSAS 

1 Feira/edições/banca Tijuana https://cargocollective.com/tijuana/ Desde 2007. O Tijuana nasceu como uma iniciativa da Galeria Vermelho para criar um espaço expositivo apto a mostrar obras de formato incompatível com o espaço expositivo tradicional, especialmente os livros de artista. Em 2009 foi realizada a primeira Feira de Arte impressa do Tijuana, reunindo editoras que se dedicam à publicação de livros de artista e edições especiais. A partir de 2010, o Tijuana começa a publicar seus próprios livros de artista, através do selo Edições Tijuana.
2 Projecto Multiplo http://projectomultiplo.blogspot.com Desde 2011. O Projecto Multiplo funciona como um acervo itinerante que circula com trabalhos no formato arte impressa produzidos na América Latina. Com uma estrutura de exposição móvel, o Projecto Multiplo apresenta trabalhos realizados a partir da ideia de edição, tais como pôsteres, livros, jornais, revistas, cédulas, fanzines, selos, adesivos, etc.
3 Banca Tatuí https://www.bancatatui.com.br/ Desde 2014. Espaço de publicações independentes no centro de São Paulo. Primeira banca de rua inteiramente dedicada a publicações independentes das mais variadas formas, como zines, revistas, livros e jornais. A Banca Tatuí distribui os trabalhos de mais de 170 editoras, coletivos e artistas.
4 Tenda de Livros https://tendadelivros.org Desde 2014. Tenda de Livros é um projeto de circulação de arte impressa que nasce de um processo de pesquisa de artista. Não é uma editora convencional e não tem uma estratégia de atuação no mercado. Aliás, ela não pretende ser incluída ou atuar comercialmente. O que pretende é provocar, movimentar-se em encontros, exposições, bate-papos, troca de publicações e, quando possível, fazer vendas.
5 Jornal de Borda https://tendadelivros.org/jornaldeborda/ Desde 2015. O Jornal de Borda está no limite do que seria um jornal: utiliza-se do formato, da rapidez e do texto curto, mas sem o caráter noticioso. Borda conta com a colaboração de artistas, editores, curadores e pesquisadores. Cada edição gira em torno de um tema.
6 Leviatã http://leviata.org Desde 2016 (data estimada). A EDITORA LEVIATÃ VIVE NA BUSCA E CAPTURA DE AÇÕES A PARTIR DA SUA RELAÇÃO COM O AMBIENTE, ARTISTAS E PÚBLICO.

 

4. INICIATIVAS DEDICADAS À COMUNICAÇÃO 

1 Canal Contemporâneo www.canalcontemporaneo.art.br Desde 2000. Colecionamos e divulgamos a memória coletiva da arte contemporânea brasileira.
2 Mapa das Artes https://www.mapadasartes.com.br/ Desde 2002. O Mapa das Artes é um veiculo de comunicação que trabalha na difusão das artes plásticas. É composto por site e impresso bimestral.

 

5. OUTRAS INICIATIVAS

1 JAMAC http://jamac.org.br Desde 2004. O Jardim Miriam Arte Clube (JAMAC) é um espaço cultural na zona sul de São Paulo, criado pela artista plástica Mônica Nador. O JAMAC é uma associação sem fins lucrativos que oferece oficinas de estêncil, serigrafia e audiovisual, além de promover diversas atividades culturais que se situam na interseção entre arte e a formação para a cidadania. Tem como objetivo central construir processos de formação que estimulem encontros entre arte e vida, estética e política. O espaço acolhe atividades como oficinas, exibições, rodas de conversa e aulas abertas, sempre com foco em diversidade, inclusão e direito à cidade e memória.
2 Lastro Intercâmbios Livres em Arte https://www.facebook.com/lastroarte Desde 2005. Encarar a arte como conectividade sensível e pensante com as esferas da vida e mundo é o mote ideológico do projeto Lastro – Intercâmbios livres em arte que vem atuando no trânsito entre Brasil e os demais países latino-americanos com o propósito de ser pesquisa, curadoria e uma rede de contato e pontes profissionais e afetivas. Materializa-se como plataforma virtual: um website de informação, comunicação, encontros e trocas no âmbito das artes visuais, construída para potencializar o diálogo entre profissionais latino-americanos e/ou atuantes neste contexto e para difundir suas práticas para o público em geral em esfera global. Sendo assim, funciona como rede de trabalho e pesquisa tramada organicamente por seus usuários.*
3 Curatoría Forense http://www.curatoriaforense.net/niued/ Desde 2005. Curatoría Forense es un grupo multidisciplinario de trabajo dedicado al arte contemporáneo en Latinoamérica desde 2005, orientada a la construcción de una red a partir de la creación y consolidación de relaciones afectivas y efectivas y la promoción de la producción y circulación de conocimiento e interacciones con el objetivo de triangular arte contemporáneo y debate con la comunidad.
4 VERBO_performance arte https://galeriavermelho.com.br/pt/verbo Desde 2005. Iniciativa criada pela galeria Vermelho, a Verbo mostra performance arte é uma plataforma sem fins lucrativos que anualmente apresenta ações de artistas brasileiros e estrangeiros, com diferentes formações e idades, atuantes em campos distintos da arte atual. O objetivo da Verbo é alargar o conceito de performance arte herdado do século XX programando ações de artistas e grupos ligados as artes visuais, mas também a dança, ao teatro, a poesia e literatura, música, grafite e ativismo.
5 Casa das Caldeiras https://www.facebook.com/casadascaldeiras/ Desde 2005. A Casa das Caldeiras é uma construção fabril de alvenaria de tijolos, construída na década de 20 para servir como geradora de energia às antigas Indústrias Matarazzo. Tombada em 1986 pelo CONDEPHAAT como patrimônio histórico da cidade de São Paulo, foi restaurada e revitalizada no ano de 1999, dando início a uma nova ocupação ao espaço. Através da criação de sua Associação Cultural Casa das Caldeiras [ACCC] em 2005, uma organização da sociedade civil de interesse público e sem fins lucrativos, desenvolve projetos de ocupação artística e cultural pautados no desenvolvimento humano, no exercício da cidadania e na valorização do patrimônio. Centro de fusão energética das artes, a ACCC é um terreno fértil para artistas, pesquisadores, a sociedade civil, instituições públicas e privadas e produz novas perspectivas de atuação e protagonismo sócio-cultural para a cidade e o país. Trabalhando em cooperação com diversas estruturas – organizações públicas e privadas, ONGs e produtores culturais, instâncias políticas internacionais e consulares, em rede, a ACCC desenvolve seus projetos conjuntamente com seus parceiros para valorizar e divulgar as diferentes formas de expressão.
6 Ocupeacidade https://www.facebook.com/ocupeacidade/ Desde 2006. O coletivo OCUPEACIDADE surgiu na cidade de São Paulo como uma proposta de unir pessoas interessadas em produzir coletivamente ações artísticas nos diversos espaços da cidade, de maneira a criar novas relações com o território vivido cotidianamente pelos habitantes da nossa metrópole – sejam eles artistas ou não. Desde então vem atuando como um grupo aberto, de livre participação, propondo ações onde o processo de produção coletiva constitui o método de trabalho, e o principal objetivo é a participação ativa dos sujeitos na vida da cidade. Foram realizadas intervenções urbanas, murais, ações em parceria com outros coletivos, exposições e oficinas, além da produção de trabalhos como cadernos, posters, vídeos, gravuras e painéis. Da mesma maneira que tem como proposta a participação aberta, existe também uma abertura para a utilização de linguagens artísticas inéditas na trajetória do grupo, propiciando assim um processo contínuo de construção de situações coletivas onde a heterogeneidade e a diversidade de olhares constituem o material fundamental.
7 PaperBox Lab https://cargocollective.com/paperboxlab Desde 2011. PaperBox Lab é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) que tem como finalidade promover a prática artística contemporânea, facilitar condições de trabalho para artistas em início de carreira e difundir a produção de arte emergente por meio de exposições, workshops, open-studios e outras ações abertas ao público.
8 Coletor http://coletor.org Desde 2012. O Coletor é um campo itinerante de ações culturais voltado para o encontro e desenvolvimento de ideias e práticas artísticas contemporâneas. Norteado pelo incentivo à experimentação e ao pensamento crítico, se organiza em uma estrutura simples e horizontal, livre de amarras institucionais ou compromissos comerciais. De caráter independente, o etos do projeto é baseado na autonomia de criação, conduzida pela troca e por processos colaborativos. Nesse sentido, encoraja situações de risco em uma atmosfera estimulante e de amplo diálogo. Articulado para ocupar e ativar diferentes espaços e assumir uma variedade de formas, engaja-se em situações específicas e efêmeras, com vocação para pensar e discutir a esfera pública e os usos do tecido urbano. Entre nossas possíveis atividades estão exposições, conversas, exibições de filmes e vídeos, apresentações musicais, programas de residência e publicações.
9 HIPOCAMPO www.hipocampo.art.br Desde 2016. HIPOCAMPO é um espaço de arte independente, multidisciplinar e virtual voltado para a exposição de conteúdos produzidos por um grupo de colaboradorxs – artistas, curadorxs, críticxs, gestorxs, produtorxs, pesquisadorxs e educadorxs.
10 Reserva Ideológica http://www.reserva-ideologica.org Desde 2016. Reserva Ideológica é um arquivo de arte contemporânea que protege a diversidade de pensamento através da conservação e difusão de documentos impressos e digitais. Acervo bibliográfico para as residências Uberbau_house e a pesquisa da Curatoría Forense. Espaço privado de caráter público aberto à comunidade. Centro de Documentação, Arquivo de Gestões Autônomas Latino-americanas, Publicações. Calendário de Atividades: Ciclo de Filmes, Jornadas de leitura, Apresentação de Livros, e Geração de conteúdos.
11 Überbau_house www.uberbau-house.org Desde 2016. Überbau_house es un centro de reunión para el debate, investigación, documentación y reflexión sobre arte contemporáneo en América Latina.
12 ARTeiro www.arteirosp.com Desde 2017. Nossa missão é agregar, divulgar, e comercializar novos artistas visuais brasileiros, sejam pintores, fotógrafos, ou artistas plásticos em geral. O Arteiro é uma galeria de arte comunitária e digital. Nós acreditamos no potencial de novos artistas e no processo de divulgação colaborativa. Nosso objetivo é unir artistas, entusiastas, e empresários da arte para propagar a força de novos trabalhos em diferentes meios.
13 Galeria Califórnia https://www.facebook.com/galeriacalifornia/ Desde 2017. A Galeria Califórnia está localizada em um edifício de Oscar Niemeyer e Carlos Lemos no centro de São Paulo, que carrega nos seus pilares traços de um modernismo controverso à época, sob duras críticas de Max Bill, e que hoje serve de legado à história da arquitetura e da arte brasileira. Entre lanchonetes, sexshops e salões de beleza que ocupam o saguão de entrada do prédio, está o enorme painel de Portinari em mosaico. Subindo os elevadores e percorrendo seus corredores em forma de “C”, é possível ver dos 13 andares das suas janelas panorâmicas o jardim interno no térreo, pátio assinado por Di Cavalcante, que refresca a visão do tumulto da rua. Neste ambiente artistas vieram ocupar suas salas ociosas, transformando-as em seus studios e ateliês. O prédio hoje conta com 25 ateliês, que abrigam o trabalho de cerca de 40 artistas. Organizam o evento República Aberta desde 2017.
14 Casa Chama https://www.facebook.com/casachama440/ Desde 2018. A Casa Chama é uma associação de cuidados LGBTQIA+ plural e fluido, que surgiu da necessidade de criar mais espaços de discussão e ação dentro da comunidade. A casa é um ambiente de convívio seguro que produz desde eventos culturais e grupos de estudos a projetos de cuidados e inclusão social. Somos uma família aberta: nosso objetivo é crescer e criar mais suportes, compartilhar infraestrutura e gerar autonomia por meio do afeto. Na nossa Casa quem acolhe é acolhido e quem é acolhido também acolhe. Assim vivenciamos empoderamentos, praticamos distribuição de privilégios e reparação histórica. Sim, reparação histórica. Aqui antes de mais nada, o exercício entre todos é reconhecer o seu lugar de fala e seus privilégios e descobrir como podemos compartilhar com quem tem menos.

 

* Extraído de documento disponível em https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/23676/23676_3.PDF. O website da Lastro no momento encontra-se desativado.